Sociedade

Governo anuncia fim da greve dos caminhoneiros, mas, depende

No momento em que o país vive uma de suas piores situações, praticamente perto do colapso, a greve dos caminhoneiros teve, ontem, no meio da noite, o primeiro anúncio de uma possível trégua de 15 dias firmada entre parte das lideranças dos grevistas e o governo.

Pela proposta assinada, o governo se compromete a ressarcir a Petrobras das perdas que a empresa terá em manter o preço do óleo diesel congelado, na refinaria, conforme anunciado pela empresa.

Segundo deixou entender o ministro Carlos Marun, do MDB sul-mato-grossense, o compromisso será mantido até o final do governo Temer, mas, com análise mês a mês, podendo até haver flutuação de preço.

Outro ponto de destaque na proposta assinada entre o governo e a parte maior dos representantes dos caminhoneiros em greve, foi o atendimento aos autônomos, que terão direito a 30% das cargas disponibilizadas pela Companhia Nacional de Abastecimento.

Sobre a proposta aprovada pela Câmara dos Deputados, nessa quarta-feira, 23, que zerava a cobrança de impostos referentes ao PIS-Cofins, o ministro Marun foi claro quando disse que o projeto não deve avançar no Senado, onde deveria ser votado para que pudesse valer.

Segundo Marun, a perda na arrecadação de impostos é muito alta em função da perda do PIS-Cofins. Tudo o que é preciso saber, agora, é qual vai ser a reação dos caminhoneiros que se encontram paralisados e bloqueando as estradas.

Sobre isso, há um problema para o cumprimento do acordo: o presidente da Associação dos Caminhoneiros (Abcam) José da Fonseca Lopes, diz que não aceita as propostas do governo, e, inclusive, abandonou a reunião.

Quer dizer: tudo está bem, mas depende. Somente no decorrer do dia de hoje é que vamos ficar sabendo se a paralisação vai terminar, mesmo. É quando estarão sendo verificados os pesos de cada uma dessas lideranças dos caminhoneiros, perante o movimento.

(Sérgio Botêlho)

Justiça · Política · Sociedade

Assassinatos promovidos pela ditadura, no Brasil, segundo a CIA, é destaque nos portais de notícias

Noticiário dos portais de notícias

Edição: Sérgio Botêlho

PORTAIS DE NOTÍCIAS:

Manchete e destaques da hora de O Globo online: Matias Spektor: ‘O Planalto decidia sobre vida e morte de cidadãos’. Para pesquisador, documento da CIA prova que Geisel chamou para si o controle da repressão. Leia o documento da CIA que diz que Geisel autorizou execuções na ditadura/

Pré-candidatos à Presidência apontam gravidade da revelação de documento da CIA/

Palácio do Planalto age com cautela diante das informações divulgadas/

O Dia das Mães de Geisel. Em 1973, Zuzu Angel pediu ajuda ao general para achar corpo do filho Stuart/

Novo depoimento confirma entrega de dinheiro em escritório de ex-assessor de Temer. Ele é o segundo ex-funcionário de transportadora de valorres a dizer que fez entregas no endereço/

Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto, apontado como operador do PSDB. Ex-diretor da Dersa, estatal paulista responsável pelas rodovias, foi preso em 6 de abril/

Temer consultou militares sobre suspensão da intervenção no Rio/

Operação da PM na região central do Rio, tem um suspeito baleado/

Juíza decreta prisão de agressores em episódio do Instituto Lula/

Isolado, PT discute anunciar vice de candidatura de Lula. Partido vive dilema interno sobre anunciar um nome para ocupar espaço/

Ministro do TSE nega pedido do PT para mandar representante de Lula em entrevistas.

 

Manchete e destaques da hora do Estadão online: Petrobrás exige que funcionários informem dados de patrimônio e renda. Imposição antes feita apenas para chefes foi estendida a 62,7 mil empregados/

Órgãos do MPF defendem a revisão da Lei da Anistia após memorando da CIA/

Ministro da Segurança. Jungmann diz que texto da CIA não tira o ‘prestígio’ das Forças Armadas/

Juíza manda prender acusados de tentativa de homicídio de empresário/

Ex-diretor da Dersa. Gilmar manda soltar Paulo Vieira, apontado como operador do PSDB/

Vereadora assassinada. Polícia tenta acordo com ex-PM para informações sobre morte de Marielle/

Coluna do Estadão: Juiz suspende reajuste das tarifas de trens em MG/

Possível improbidade. Procuradoria vai continuar investigação sobre presentes de ex-presidentes/

‘Sabidamente inelegível’. Ministro do TSE questiona nome de ‘ficha-suja’ na urna.

 

Manchete e destaques da hora da Folha online: Após dois anos, Temer deixa de cumprir maioria das promessas. Em seu primeiro discurso como presidente, ao dar posse aos ministros, ele listou 19 propostas/

Governo faz aniversário como o mais impopular ao menos desde Collor/

Julianna Sofia: Temer completa dois anos no Planalto enfraquecido e impopular/

Painel: Ex-ministro {da Justiça, José Carlos Dias} reúne Comissão da Verdade para cobrar revisão da Lei da Anistia. Comissão Nacional da Verdade vê falta de cooperação dos americanos/

Cartórios e TJ resistem à duplicata eletrônica/

França quer medida contra sanções ao Irã/

França quer medida contra sanções ao Irã/

Após desabamento de prédio, crianças vivem rotina precária.

Justiça · Política · Sociedade

Veja taxa inquérito contra UFSC de “pífio”; Época diz que trair é tão fácil quanto esconder a traição

Veja e Época já circulando. Veja esmiunça o inquérito na Universidade Federal de Santa Catarina que culminou com o suicídio do reitor. Segundo a revista, o relatório da PF é “pífio”.

A Época destaca em sua capa matéria sobre costumes, e conclui que trair, hoje em dia é tão fácil quanto é difícil esconder a traição.

*Veja*. *“Exclusivo. O inquérito do reitor que se suicidou”*. Essa é a matéria de capa da revista.

*Outras chamadas de capa*:

“Lula na prisão. O STF chega perto de realizar o sonho do petista de livrar-se de Moro”.

“_Justiça. Como fica o Brasil com o fim do foro privilegiado_”.

“Vingadores-Guerra infinita. A estreia da legião de super-heróis da Marvel predestinada a ser um titã das bilheterias”.

*Destaques internos*:

“Entrevista. Gianfrancesco A doença italiana. O cientista político afirma que, seu país, ao privilegiar o protecionismo e o compadrio, inibe a inovação. O resultado é o baixo crescimento – e apesar da Operação Mãos Limpas, a corrupção”;

“_”Ir à Igreja, não basta”. Com patrimônio de 3,4 bilhões de dólares, o empresário americano – abandonado pelo pai aos 2 anos – vai doar metade de sua fortuna critica os milionários que não fazem caridade_”;

“O privilégio dos bacanas. Acabar com o foro especial para os políticos é uma medida correta, mas isso não significa que a vida dos corruptos ficará mais difícil. Pior: pode acontecer exatamente o contrário”;

“_A brigada anti-Moro. Segunda Turma do STF, já apelidada de Supreminho, abre brecha para atender a um antigo desejo de Lula: livrar-se do juiz de Curitiba. Tarefa não será fácil_”;

“Um mal absoluto. Destruidoras, críveis e presentes nas mais diversas áreas. Assim são as ‘fake news’, tema central do evento Amarelas ao Vivo, promovido por VEJA”;

“_Dora Kramer: Pensar antes de teclar. O bom-senso é o melhor antídoto aos engodos na política_”;

“Adeus à indústria de ações. A nova legislação trabalhista cumpriu um de seus principais objetivos, ao barrar a enxurrada de processos abertos na Justiça”;

“_A segunda morte. PF acusou Luiz Carlos Olivo de integrar esquema criminoso que desviou R$ 80 milhões, e ele se suicidou. Agora, sai o relatório final — e o resultado é pífio_”;

 

*Época*. *“A infidelidade hoje. Nunca foi tão fácil trair. Nunca foi tão difícil esconder”*. Essa é a matéria de capa da revista.

*Outras chamadas de capa*:

“Um dossiê camuflado. Histórias sobre o que perderam e o que ganharam os militares”.

“_Sorry Darling. Os arrependidos do _”.

“Populisprudência. O STF e a lei que agrada ao povo”.

(Época ainda não totalmente disponível online)

*Destaques internos*:

“Editorial: “Não é mais a economia, estúpido”. As novas configurações da economia, da política e da informação modificam a interpretação automática das vinculações entre resultados econômicos e eleitorais”;

“_José Dirceu. Um dos ícones do petismo passa a semana em despedidas acreditando que voltará à prisão nos próximos dias, sem imaginar que possa retornar à liberdade_”;

“O companheiro Gilmar. Com Lula na cadeia, o gabinete de Gilmar Mendes, no Supremo, virou ponto de romaria dos petistas. Para o ministro, as chances de o ex-presidente reconquistar a liberdade só vão aumentar quando ele se declarar fora do páreo presidencial”;

“_Os intérpretes do poder. O trabalho dos tradutores dos presidentes não se limita a verter palavras para outras línguas — eles, muitas vezes, melhoram o script_”;

“11 Perguntas para Kassab. Fundador do PSD, Gilberto Kassab, de 57 anos, é dono do maior ministério do governo Temer — ao menos no nome. Ocupa a pasta da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Nas próximas eleições, ele vai de Alckmin em vez de Temer”;

“_Haddad X Fausto. O petista Fernando Haddad e o tucano Sergio Fausto endurecem o discurso, mas não perdem a ternura ao responder às mesmas perguntas sobre políticos e política_”;

“O gabinete do capitão Bolsonaro. Líder nas intenções de voto ao Planalto num cenário sem Lula, o candidato do PSL já definiu seus ministros e vai anunciá-los em setembro para que os eleitores “votem no time””;

“_A ponte com o Planalto. Um general nos bastidores. O chefe do GSI é o responsável por zelar pela segurança presidencial, pela área de inteligência e informá-lo sobre todas as questões com potencial de risco à instabilidade institucional do país. Mas o militar assumiu funções que vão muito além dessas questões por si só estratégicas e relevantes. Assenhorou-se também de questões do dia a dia do Palácio do Planalto, como o voo do ex-ministro da Fazenda desde Salvador, e tornou-se assim um dos mais influentes conselheiros do presidente, com direito a opiniões inclusive sobre questões políticas_”;

““Armaram para o tráfico voltar”. O fracasso da 1ª intervenção em favela”;

“_O liberalismo econômico em xeque. A defesa do modelo por economistas e membros das instituições multilaterais é simples, direta, mas infelizmente pouco convincente para o público geral_”;

“Deserto. A porção de terra seca, sem vida e sem salvação, cresce no Nordeste”;

“_Os arrependidos do Brexit. Eleitores britânicos que votaram a favor da saída do Reino Unido da Comunidade Europeia começam a se movimentar em defesa da revisão do resultado do plebiscito_”.

Sociedade

Licitação de radares é suspensa, em Campo Grande; candidatos repercutem pesquisa em Mato Grosso do Sul

Licitação de radares é suspensa, em Campo Grande; candidatos repercutem pesquisa em Mato Grosso do Sul.

Sinopse MS

Edição: Sérgio Botêlho

Manchete e submanchetes do portal do Correio do Estado.

Pela 2ª vez em seis meses, prefeitura suspende licitação dos radares. Abertura das propostas ocorreria amanhã e não foi informado motivo da suspensão/

Pesquisa eleitoral. Líder, Nelsinho destaca experiência e Zeca fala em injustiça contra Lula. Eleitor pode escolher dois candidatos/

Mulher internada em Naviraí contraiu gripe H3N2 após passagem pela Capital. Vítima ficou uma semana em Campo Grande antes de apresentar os sintomas/

Estado. Milho pode ter perdas de 200 mil toneladas com seca em Mato Grosso do Sul. Em alguns municípios no Centro-Sul a estiagem já dura mais de 20 dias/

Tráfego intenso. Intervenções na rotatória da Gury Marques devem começar em até 45 dias. Estudo técnico definirá melhor alternativa para desafogar a via/

Em Três Lagoas. Justiça agenda para maio julgamentos de 17 bandidos do PCC por ataques de 2013. Júris serão de responsáveis de 2 mortes que desencanderam revolta da facção/

Safra 2017/2018. Cultivo de cana-de-açúcar diminuiu 3,6% em volume de produção. Apesar da queda, etanol manteve produção estável com 27,76 bi/litros/

Política. ‘Japonês da Federal’ vira presidente de partido no Paraná após aposentadoria.

 

Manchete e submanchetes do jornal Correio do Estado

Capa

Paraíso ecológico ameaçado. Bonito. Sanesul pretende captar água do Rio Formoso. MPE e ambientalistas alertam para riscos. “A captação de água pode ocasionar descaracterização da vegetação ciliar (…) e afetar a qualidade da água, especialmente a transparência”, diz Rodolfo Portela, gestor ambiental e coordenador da Fundação Neotrópica do Brasil, sobre os planos da Sanesul para a cidade de Bonito/

Com 4 mortes em MS, busca por vacina é intensa/

Famílias se recusam a deixar moradias. O drama das famílias no Bairro Vespasiano Martins parece estar longe de acabar. Depois de removidas da Cidade de Deus, essas famílias receberam casas inacabadas e tiveram de investir para ter um teto digno. Em alguns casos, o investimento chegou a R$ 12 mil. Agora, elas foram informadas de que as casas, condenadas, terão de ser demolidas/

PF apreende R$200 mil em residência de senador {Ciro}/

Campo Grande. Licitação para reativar radares é suspensa/

Senado. “Experiência conta”, diz Nelsinho, líder em pesquisa/

Na Justiça. Revendedores de gás respondem por formação de cartel/

Safrinha. Estiagem ameaça lavouras de milho em MS/

 

Página 3 – Política

Pesquisa eleitoral. Líder, Nelsinho destaca experiência e Zeca fala em injustiça contra Lula. Harfouche, que estreou com 7%, aposta em renovação na disputa para o Senado. tentando vaga em Brasília. Também na disputa por uma vaga ao Senado, o ex-vereador Chico Maia (Pode) se diz contente com o resultado de 4,62% das intenções de voto. Ele comenta que um mês antes tinha 1%. O ex-secretário de Infraestrutura do governo Marcelo Miglioli (PSDB) tem 2,74% das intenções de voto. Segundo ele, o importante não é pesquisa quantitativa, mas, sim, qualitativa, mostrando o perfil do eleitor/

Candidatos à reeleição estão em terceiro e quinto lugar em pesquisa. Os senadores Waldemir Moka (MDB) e Pedro Chaves (PRB) são candidatos à reeleição. Na pesquisa realizada pelo Ipems, eles aparecem em terceiro e quinto lugar, respectivamente.

Coffee Break. TJMS adia de novo análise de recurso de ex-vereador/

Sítio em Atibaia. STF retira ex-presidente das mãos de Sérgio Moro.

 

Manchete e submanchetes do portal MidiaMax

TJ concede parte de pedido da ALMS sobre bloqueio de R$ 730 milhões da JBS. Deputados conseguiram suspender sobreposição de bloqueio de bens/

MP pede libertação de 138 pessoas presas em operação contra milícia. O Ministério Público (MP) do Rio pediu à Justiça a libertação de 138 pessoas que haviam sido presas em ação contra milícia.

Jovem com uniforme de escola estadual é preso com tabletes de maconha. Um jovem de 19 anos e um menor de 16 anos, foram flagrados por equipes da Agência Local de Inteligência/

TRE-MS divulga empresas penalizadas em contratos administrativos.

 

Manchete e submanchetes do portal Campo Grande News

Trânsito. Em 4 meses, acidentes de trânsito mataram 27 pessoas na Capital/

Eleições-2018. Com direitos políticos suspensos, Delcídio do Amaral se filia ao PTC/

Costa Rica. Articulador da morte de advogado é condenado a 15 anos de prisão/

Em MS. Antes do frio, gripe matou 4 pessoas e Saúde investiga mais 2 óbitos.

Sociedade

Prisão de Lula, perspectivas e cautela política

Crédito da foto: Agência Câmara
Sessão do Congresso Nacional nesta terça-feira, 03, durou seis horas

Sérgio Botêlho

Difícil resumir a situação política do país, neste momento, após a prisão do ex-presidente Lula. Em primeiro lugar, porque o ex-presidente aguarda uma nova decisão do Supremo Tribunal Federal, em plenário dessa quarta-feira, 11, sobre prisão em segunda instância.

Na última sessão do STF, apenas o habeas corpus de Lula foi julgado, quando, por 6 X 5, os ministros negaram o pedido, com base em decisão de 2016, do próprio tribunal, favorável à prisão em segunda instância, o que permitiu a ordem expedida por Moro.

Mas, em seu voto, a ministra Rosa Weber, determinante no resultado de 6 X 5, e que votou em função do que fora decidido anteriormente pelo colegiado, sobre segunda instância, deixou claro que na apreciação do mérito, votaria contra a prisão em segunda instância.

Pois, é exatamente isso o que vai estar em debate na próxima quarta-feira, depois de amanhã, no pleno do Supremo. Os ministros vão decidir se mantêm ou revogam a possibilidade de prisão em segunda instância.

Se a ministra Rosa Weber mantiver sua promessa, cai a prisão em segunda instância e um novo pedido de habeas corpus de Lula cresce em chance de ser atendido, já que ele é um condenado, por enquanto, apenas em segunda instância.

Essa é uma questão. A outra, é que ainda reina a perplexidade, entre os políticos, sobre o que vai efetivamente acontecer de mudança no quadro pré-eleitoral, com a possível saída de Lula do páreo.

Por conta disso, os políticos estão se impondo o acautelamento. Até na parte mais extrema da direita, a cautela está vigente, já que, segundo o noticiário, Bolsonaro aspira conquistar alguns votos lulistas, caso o ex-presidente venha mesmo a ser impedido de concorrer.

Afinal, em política, é costume dizer que quando a gente fecha a porta, deixa a janela aberta. Numa eleição tão difícil como a deste ano de 2018, se incompatibilizar totalmente com parcelas do eleitorado pode ser fatal para postulantes, a qualquer cargo.

Pois bem. Voltando ao depois de amanhã, no STF: eis outro momento vital para a eleição 2018. Caso seja confirmada a possibilidade de o indivíduo ser preso após condenação em segundo grau, então, vem chumbo grosso por aí.

Política · Sociedade · Violência

Violência pode virar marca, para a história, das eleições 2018

Sérgio Botêlho

Enquanto o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, registrou queixa pública, nessa terça-feira, 27, contra ameaças que sua família estaria sofrendo, a caravana do ex-presidente Lula em peregrinação pelo Sul do país foi atacada a tiros, também nessa terça-feira, 27.

Antes disso, no dia 14 passado, a vereadora carioca Marielle Franco, filiada ao PSOL, foi assassinada no Rio de Janeiro, num crime até agora insolúvel, mas com nítidos contornos de uma execução motivada pela militância política da vítima.

Há quem tema a possibilidade de o pleito presidencial de 2018 transcorrer em clima de violência inusitada na história mais recente do país. Tudo isso, não bastasse a violência provocada pela criminalidade que apavora a Nação e que não tem estado de preferência.

Amanhã, quinta-feira, 29, é feriado em Brasília. Contudo, após a Semana Santa tem prevista a sessão do Supremo Tribunal Federal que vai julgar o habeas corpus interposto pela defesa de Lula contra a prisão do ex-presidente.

Dessa forma, será uma semana de intensa mobilização, tanto dos adversários quanto dos aliados de Lula, e, qualquer que seja o resultado do debate e da votação entre os ministros, haverá de restar insatisfação.

Também a próxima semana será a última para a mudança de partidos, quando vai ser possível enxergar melhor o quadro de candidatos presidenciais. A partir daí o quadro político tende a ficar cada vez mais tenso, no rumo da eleição de outubro.

A torcida é para que o clima esfrie um pouco a fim de que possamos ter uma campanha livre da violência. Porém, as perspectivas não são boas, com relação a isso. Melhor seria que todos os atos criminosos sejam, desde agora, devidamente punidos. Senão, a violência pode virar marca, para a história, das eleições 2018.

Política · Sociedade

TRF-4 confirma condenação de Lula. Pré-candidaturas à Presidência tem acréscimo de movimento

Palácio do Planalto: forte objetivo de desejo político nas eleições de outubro

Sérgio Botêlho

Como já era esperado, o Tribunal Regional Federal da Quarta Região, em Porto Alegre, rejeitou os recursos da defesa de Lula contra sua (de Lula) condenação. Outra vez, o resultado foi por unanimidade dos votos de três desembargadores.

Segundo afirmam especialistas, ouvidos pela mídia, apesar de condenado por órgão colegiado, como foi o caso, e, a princípio, ser considerado ficha suja, o ex-presidente não pode ser definitivamente inscrito no rol dos inelegíveis.

É que, segundo esses especialistas, a inelegibilidade precisa ser explicitamente decretada pelo Tribunal Superior Eleitoral. Com base nisso, Lula continua afirmando sua candidatura à Presidência da República.

No entanto, por via das dúvidas, o partido, com aval do próprio Lula, já prepara candidato substituto, que pode ser o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, já que outro potencial candidato, o ex-governador baiano, Jacques Wagner, não se mostra disposto.

Nesses últimos dias, Haddad tem conversado com gente da cúpula petista buscando consolidar-se como candidato petista, no caso de Lula vir mesmo a ser impedido pelo Tribunal Superior Eleitoral, conforme é muito provável.

Falar nisso, as eleições 2018 tem acréscimo de movimento nos últimos dias. Depois de o presidente Temer se lançar à reeleição, os governistas também preparam a candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Os dois, Temer e seu ministro, vão testar popularidade e índices de rejeição até as convenções partidárias, entre 20 de julho a 05 de agosto. Meirelles vai mesmo para o MDB, e fica de stand buy.

Enquanto isso, o PPS, que realizou convenção nacional no último final de semana, na capital paulista, resolveu apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin, ainda governador de São Paulo, pelo PSDB.

Já Marina Silva, da Rede, que estava meio calada, voltou a falar e se prepara, mais uma vez, para ser candidata à Presidência, num quadro que já tem Bolsonaro, pelo PSL, Ciro Gomes, pelo PDT e Fernando Collor de Melo, pelo PTC .

Do rol de pré-candidatos consta, ainda, Guilherme Boulos, pelo PSOL, Rodrigo Maia, pelo DEM, Álvaro Dias, pelo Podemos, afora a candidatura permanente de Eymael, pelo PSDC.

Por enquanto, assim, corre a barca da política no rumo das eleições 2018.

Sociedade

Papa pede integração de imigrantes

Papa Francisco classificou neste domingo (14) como pecado que imigrantes e moradores dos países que os recebem se recusem a conhecer-se e integrar-se por um medo que, ainda que “legítimo”, não deve alimentar o ódio e a rejeição. A informação é a da Agência EFE. 

“Não é fácil entrar na cultura que nos é alheia, pôr-nos no lugar de pessoas tão diferentes de nós, compreender seus pensamentos e suas experiências”, declarou o pontífice em uma missa com refugiados realizada durante a Jornada Mundial dos Imigrantes.

Francisco disse que, perante esta dificuldade, “frequentemente renunciamos ao encontro com o outro e levantamos barreiras para defender-nos”.

“As comunidades locais, às vezes, temem que os recém-chegados perturbem a ordem estabelecida, ‘roubem’ algo que se construiu com tanto esforço. Mesmo os recém-chegados têm medos: temem a confrontação, o julgamento, a discriminação, o fracasso”, destacou.

O papa reconheceu que estes medos “são legítimos” por estarem baseados em “dúvidas que são totalmente compreensíveis do ponto de vista humano”.

No entanto, sustentou que duvidar “não é um pecado”, mas sim permitir que “estes medos determinem nossas respostas, condicionem nossas escolhas, comprometam o respeito e a generosidade, alimentem o ódio e a rejeição”.

“O pecado é renunciar ao encontro com o outro, com aquele que é diferente, com o próximo”, completou.

Francisco pronunciou esta homilia durante uma missa na basílica de São Pedro na qual participaram imigrantes e refugiados de 49 países diferentes que levaram suas bandeiras, assim como 70 diplomatas credenciados na Santa Sé.

Perante eles, o papa insistiu na necessidade de entendimento entre os imigrantes e as sociedades que os recebem e ressaltou que ambas partes devem “acolher, conhecer e reconhecer”.

Para os primeiros isto implica em “conhecer e respeitar as leis, a cultura e as tradições dos países que os acolheram”, bem como “compreender os seus medos e as suas preocupações em relação ao futuro”.

Os segundos, por sua parte, deveriam “abrir-se à riqueza da diversidade sem ideias preconcebidas, compreender os potenciais, as esperanças dos recém-chegados, bem como a sua vulnerabilidade e os seus temores”.

Na opinião do papa, o “verdadeiro encontro com o outro não se limita à acolhida”, mas envolve as três ações que já destacou em agosto na sua mensagem prévia à jornada de hoje: “proteger, promover e integrar”.

Por último, Francisco pediu uma “oração recíproca” entre refugiados e as comunidades locais.

Cultura · Educação · Internacional · Sociedade

ONU divulga guia com orientação favorável à igualdade de gêneros

Perto de completar dez anos, o guia “Orientações Técnicas de Educação em Sexualidade”, voltado para legisladores que trabalham na elaboração de currículos escolares no mundo todo, teve esta semana sua edição atualizada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Em sua nova versão, a publicação enfatiza uma educação em sexualidade mais abrangente e de qualidade, de forma a promover saúde, bem-estar, respeito aos direitos humanos e igualdade de gênero, empoderando crianças e jovens para uma vida mais saudável, segura e produtiva.

O guia foi publicado no Brasil em 2014 com o título “Orientações Técnicas de Educação em Sexualidade para o Cenário Brasileiro”.

“Com base nas evidências científicas mais recentes, o guia ‘Orientações Técnicas de Educação em Sexualidade’ reafirma a posição da educação em sexualidade com base em diretrizes de direitos humanos e de igualdade de gênero”, disse a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay.

“Promove a aprendizagem estruturada sobre sexualidade e relacionamentos de uma maneira positiva e centrada no melhor interesse dos jovens. Ao enfatizar os componentes essenciais de programas efetivos de educação em sexualidade, o guia permite às autoridades nacionais desenhar um currículo abrangente que tenha impacto positivo na saúde e no bem-estar dos jovens.”

O guia técnico foi criado para apoiar as políticas públicas dos países no desenho de currículos precisos e apropriados à idade correspondente, envolvendo crianças e jovens de 5 a 18 anos.

Com base em uma análise das melhores práticas no mundo, o guia mostra que a educação em sexualidade ajuda os jovens a se tornar mais responsáveis em sua atitude e comportamento no que se refere à saúde sexual e reprodutiva. Também é essencial no combate à evasão escolar de meninas provocada por gravidez ou casamento precoce.

De acordo com a UNESCO, a educação em sexualidade é necessária uma vez que, em algumas partes do mundo, duas em cada três meninas dizem não ter ideia do que acontece com seu corpo quando começam a menstruar, e as complicações no parto são a segunda causa de morte entre meninas de 15 a 19 anos.

O documento também desmente teorias segundo os quais a educação em sexualidade aumentaria a atividade sexual, o comportamento de risco e as taxas de infecção por HIV. Também apresenta evidências de que os programas de abstinência sexual não conseguem evitar a iniciação sexual precoce ou reduzir a frequência de relações sexuais e de número de parceiros entre jovens.

A publicação identifica uma necessidade urgente de educação em sexualidade abrange e de qualidade para fornecer informações e orientações aos jovens sobre a transição da infância para a vida adulta e sobre os desafios físicos, sociais e emocionais que enfrentam nesse processo.

Também analisa outras questões de saúde sexual e reprodutiva, que são particularmente difíceis durante a puberdade, incluindo acesso a contraceptivos, gravidez precoce, violência baseada em gênero, infecções sexualmente transmissíveis, HIV e AIDS.

O documento foi produzido por meio de colaboração entre Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), ONU Mulheres e Organização Mundial da Saúde (OMS)

FONTE: ONU

 

 

Economia · Política · Sociedade

Marcha dos municípios: CNM dá início às inscrições

CNM inicia inscrições para Marcha dos Municípios

O mais importante evento do ano do movimento municipalista já está com as inscrições abertas no site da Confederação Nacional de Municípios (CNM). A entidade orienta prefeitos, secretários, vereadores e demais agentes municipais para que confirmem a participação na XXI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios e programem antecipadamente o deslocamento e a estadia na capital federal entre os dias 21 e 24 de maio, período em que será realizada a mobilização.

A entidade reforça que os participantes precisam estar atentos às orientações em razão da dimensão do evento que reúne anualmente milhares de agente municipais de todo o Brasil. Por isso, a recomendação da CNM é no sentido de que a compra de passagens, bem como reservas de hospedagem e demais serviços de hotéis sejam confirmados o quanto antes para evitar problemas de última hora.

 

Uma novidade neste ano implementada pela CNM é que os participantes poderão fazer o pagamento da inscrição por meio de boleto bancário. Essa medida atende a pedidos de anos anteriores e pretende viabilizar a participação dos municipalistas no evento em Brasília.

Presidenciáveis

A realização da Marcha neste ano é avaliada como muito importante para discutir a pauta prioritária, alternativas para os Municípios diante do atual cenário de crise econômica e também por ser um ano de eleições gerais. Em outubro, serão conhecidos os novos representantes no Congresso Nacional, nos Estados e o presidente da República. Antes disso, os candidatos à presidência da República terão a oportunidade de apresentar as suas propostas aos prefeitos e demais agentes municipais durante a Marcha. Está previsto um espaço na programação do evento para que os postulantes possam interagir e debater as demandas municipais.

O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, reitera a importância da participação de todos os municipalistas na mobilização e reforça que esse será o momento para pedir o compromisso de todos com o municipalismo. “Aproveito para convidar os senhores para a XXI Marcha onde vamos dar um pulo mais significativo na pauta municipalista e tentar aliviar o sofrimento dos Municípios. Vamos cobrar dos candidatos a presidente, a deputado e a senador para que eles se comprometam com a nossa pauta e com isso vamos buscar avanços”, orientou.

Para facilitar o acesso às informações da Marcha, a CNM lançou o hotsite do evento na rede mundial de computadores, vinculado ao portal institucional da entidade. Na página online é possível ter acesso a programação preliminar, ao vídeo sobre o evento e a convocação de Ziulkoski, além das inscrições e das fotos da edição de 2017 e de contagem regressiva para a abertura do maior evento mundial de autoridades municipais.

Ziulkoski reconhece que a atuação das entidades estaduais e das microrregionais é fundamental para garantir o sucesso do evento. Diante disso, ele conclama os líderes municipalistas para trabalharem juntos e para promoverem a maior Marcha da história, com conquistas reais e vitórias que refletem diretamente na qualidade de vida da população brasileira.

FONTE: CNM